6 práticas eficientes para gerenciar alto volume de dados

O conhecimento é um diferencial para o sucesso no mundo corporativo cada vez mais importante. O cenário atual exige que as empresas adotem recursos para gerenciar alto volume de dados com rapidez e eficiência. Uma das ferramentas mais utilizadas para essa tarefa é o Big Data.

Ele consiste em um recurso responsável pela administração e a análise de informações provenientes de várias fontes (mídias sociais, sistemas adotados pela companhia etc.). Dessa forma, possibilita que os gestores avaliem cenários e tomem decisões com base em dados atuais e devidamente estruturados.

Neste post, destacaremos 6 procedimentos que ajudam a gerenciar as informações empresariais de forma mais inteligente, com foco em bons resultados. Confira!

1. Priorize o planejamento estratégico

Para gerenciar alto volume de dados, um passo importante é definir quais são os principais objetivos da organização. Essa iniciativa somente pode ser realizada de maneira correta com o planejamento estratégico, porque esse mecanismo ajuda a conhecer os pontos fortes e as fragilidades de uma empresa.

Além disso, é fundamental para a criação de metas que levam em consideração os dados coletados sobre o ambiente externo e o interno. Em outras palavras, à medida que uma companhia trabalha corretamente com as informações, maiores são as possibilidades de definir uma estratégia adequada à realidade e que propicie resultados significativos.

Em um momento de instabilidade econômica, as organizações precisam encontrar alternativas para um crescimento sustentável. Assim, estarão mais preparadas para as mudanças impostas por fatores tecnológicos, sociais e econômicos. Isso é possível com a montagem de um planejamento estratégico, baseado em informações estruturadas e confiáveis.

2. Conheça os seus clientes

O planejamento estratégico e a prática de gerenciar alto volume de dados proporcionam benefícios para as empresas, desde que haja uma preocupação em conhecer o público-alvo. Por isso, é recomendado adotar o Customer Relationship Management (CRM), responsável por contribuir para a gestão de relacionamento com os clientes.

Esse software reúne uma série de informações, o que é vital para construir uma relação sólida entre a companhia e os consumidores. A ferramenta capta vários dados importantes sobre o público-alvo, como:

  • nome;
  • formas de contato;
  • localização;
  • histórico de compras;
  • ticket médio;
  • produtos e serviços preferidos.

Com base nas informações coletadas, uma empresa organiza o trabalho da equipe de vendas, fazendo com que a abordagem seja mais eficiente. Outro benefício é avaliar como a campanha de marketing pode chamar a atenção do público-alvo. Isso é indispensável para expandir o faturamento e fortalecer a marca.

3. Tenha foco na análise de cenários

Antever as tendências do mercado é uma das virtudes mais importantes para o sucesso de um empreendedor. Essa ação somente é possível se houver um trabalho que priorize a análise de dados.

Não adianta apenas ter recursos que sirvam para coletar informações valiosas dos clientes. É fundamental que haja uma cultura voltada para interpretar o que os consumidores e o mercado estão apontando sobre as mercadorias e os serviços disponibilizados.

Uma avaliação equivocada pode gerar prejuízos financeiros que podem ser irreversíveis e provocar o fechamento de uma empresa. Por outro lado, uma análise inteligente pode ser o início do lançamento de um produto inovador que poderá expandir as vendas e fidelizar os consumidores.

Gerenciar alto volume de dados com bom senso é o melhor caminho para a montagem de uma estratégia diferenciada, que pode gerar uma vantagem competitiva maiúscula sobre a concorrência.

4. Invista em um bom software de gestão

As informações corporativas devem ser de fácil acesso, para que o trabalho de análise seja feito de maneira mais simples. Facilitar a tomada de decisão é necessário para os gestores terem um ambiente mais favorável para avaliar os procedimentos a serem adotados para atingir um desempenho notável.

Esse aspecto faz com que muitas organizações invistam em softwares de gestão empresarial. A ferramenta centraliza todas as atividades de uma corporação, fazendo com que vários setores sejam integrados (marketing, vendas, estoque, finanças etc.)

Além disso, contribui para que haja um controle dos pagamentos e dos recebimentos efetivados. Dessa forma, uma empresa tem mais condições de analisar como está o orçamento, o que permite tomar decisões mais pontuais sobre o melhor momento para investir ou adiar um projeto.

Contar com sistemas avançados é necessário para gerenciar alto volume de dados de forma mais simplificada. Além disso, é uma forma de facilitar a comunicação entre as unidades de uma corporação, favorecendo a melhoria do ambiente organizacional.

5. Aposte em automatizar processos

Fornecer respostas mais ágeis e diminuir o índice de erros são duas metas perseguidas pelas empresas. Uma forma de atingir esses objetivos engloba a automatização de processos. Essa iniciativa faz com que diversas tarefas sejam executadas por um software, sem nenhuma intervenção humana.

Para identificar os serviços a serem automatizados, uma medida valiosa é gerenciar alto volume de dados com precisão. Dessa maneira, a instituição entenderá o funcionamento de cada processo e terá mais condições de avaliar as atividades necessárias para os serviços serem prestados por softwares ou robôs.

Os chatbots representam um exemplo de automatização das rotinas de trabalho. Eles consistem em um sistema que, por meio da inteligência artificial, interage com os clientes, fornecendo informações e tirando dúvidas. Essa prática é bastante utilizada pelo setor bancário e as operadoras de telefonia.

6. Entenda por que a desduplicação é importante

É inegável que o backup é crucial para evitar a perda de informações valiosas para uma corporação. Mas essa prática deve ser realizada com inteligência, porque pode gerar um acúmulo de dados que dificulta a gestão e a seleção de conteúdos úteis para a tomada de decisão.

Para evitarem esse problema, algumas empresas estão adotando a desduplicação, que tem como meta diminuir o volume de informações repetidas, fazendo com que haja um aproveitamento melhor do espaço para armazenar dados. Isso contribui para economizar recursos financeiros e tempo. Ou seja, as companhias se tornam mais eficientes e ágeis para administrar as informações.

Em um cenário de alta competitividade, é fundamental que haja planejamento para gerenciar alto volume de dados. Um dos motivos é que o conhecimento é um fator muito relevante para uma marca inovar e conquistar a confiança do público-alvo. Uma empresa não se destaca no mercado se não souber usar as informações com sabedoria.

Para os que desejam aproveitar melhor o potencial dos dados, vale a pena entrar em contato conosco agora mesmo. Estamos à disposição para ajudá-lo a vencer novos desafios!

Quais os melhores indicadores de desempenho de processos? Descubra!

Em um mundo corporativo cada vez mais competitivo, é fundamental que as empresas adotem estratégias muito bem pensadas para se destacar no mercado e diferenciar-se da concorrência. Uma dessas técnicas consiste na análise cuidadosa dos chamados indicadores de desempenho de processos.

Esses indicadores consistem, basicamente, em uma reunião de dados, que, agrupados, permitem avaliar a operação das atividades empresariais. Por meio deles, fica bem mais fácil e confiável para que o gestor analise o que vem dando certo e deve ser mantido e o que vem sendo prejudicial e deve ser interrompido.

Ficou interessado em conhecer quais são os principais indicadores de desempenho de processos e como eles podem influenciar no sucesso de uma empresa? Então, este post é para você. Continue a leitura e confira!

Lucratividade

A lucratividade de uma instituição consiste na avaliação consistente de gastos e ganhos. Essa relação é fundamental para que uma empresa verifique se a sua atividade está sendo rentável e auxilia os gestores a efetuarem o chamado controle financeiro, que é vital para a continuidade e a sobrevivência da empresa.

Nos indicadores de desempenho de processos de lucratividade, o empresário realizará a comparação com outras corporações que concorrem no mesmo segmento e verificará se há algum tipo de déficit em relação a elas. Caso exista, deve haver um estudo mais detalhado para que se verifique onde a falha se localiza e o porquê de ela afetar o lucro líquido.

Com esse indicador, os profissionais responsáveis pelo setor financeiro da instituição identificam, em tempo hábil, qualquer entrave existente que esteja afetando a empresa e podem agir de modo rápido e efetivo.

Satisfação dos clientes

Outros indicadores de desempenho de processos que são extremamente importantes para uma empresa são aqueles que avaliam a satisfação dos clientes. Ora, o bom atendimento ao consumidor é a chave do sucesso de qualquer instituição. Com essa ferramenta, o gestor avalia se o seu serviço tem a saída esperada para o consumidor final e se os lucros advindos dessa operação estão adequados.

É fundamental também que não sejam consideradas apenas as opiniões e os índices positivos de clientes satisfeitos. Avaliar reclamações e sugestões de fregueses também é muito importante para a companhia, pois, desse modo, os gestores podem adequar alguma operação ou direcionar algum tipo de atitude a produtos e serviços que não vêm saindo como o desejado.

Avaliando esse indicador, os profissionais responsáveis verificarão rapidamente os desacordos, em qualquer processo, que sejam percebidos pelo consumidor final e que estejam afetando os ganhos da empresa. Dessa forma, a produtividade estará adequada aos anseios da clientela, e os lucros da instituição serão potencializados.

Turnover

Outro ponto-chave que deve ser dimensionado no âmbito de uma empresa diz respeito a seus colaboradores. As modificações no time de trabalhadores e a entrada e saída de profissionais são normais até certo ponto. Porém, se esses índices estiverem muito altos ou com oscilações frequentes, é importante dedicar uma atenção especial.

O chamado turnover diz respeito exatamente à quantidade de cooperadores que deixam os quadros da instituição em busca de novas oportunidades de trabalho em outras empresas. Esse indicador pode determinar, dentre outros fatores, que o clima organizacional não está favorável, que o profissional não se sente valorizado, que a concorrência tem oferecido condições melhores de trabalho etc.

Por meio dessa análise, o gestor pode considerar implementar benefícios aos seus funcionários, investir em cursos de capacitação, promover condições melhores de trabalho etc. Desse modo, a empresa passa a reter talentos e age positivamente em aspectos relacionados à produtividade, promovendo resultados melhores e maiores lucros.

Conversão de leads

Esse tipo de indicador diz respeito a uma ferramenta muito importante para o sucesso de uma empresa no mundo atual: o marketing digital. Em tempos em que a rede mundial de computadores é uma das principais formas de acesso a informações e maneiras de adquirir novos mercados, essa ação se mostra vital para que uma empresa obtenha êxito na sua atividade.

Um dos tipos de conversão de leads mais importantes e que deve ser avaliado de modo muito cuidadoso é o marketing de conteúdo. É preciso que se verifique se os clientes vêm sendo atingidos pelos posts em blogs e se esse tipo de iniciativa vem causando impactos positivos.

Uma empresa que investe nesse tipo de ação traça um diferencial competitivo muito importante e é capaz de alcançar posições mercadológicas de destaque. Uma dica que podemos fornecer para otimizar esses indicadores de desempenho em processos é contar com o auxílio de uma empresa especializada no assunto. Ela fornecerá a ajuda pontual para que a conversão de leads alcance mais clientes, e os ganhos empresariais, como consequência, sejam potencializados.

Produção da empresa

Esse indicador leva em consideração os itens que são produzidos pela empresa e os valores que são dispendidos por ela na sua fabricação. Se, para produzir algum item ou insumo, os valores gastos têm superado a lucratividade que será verificada, há algo de errado e que pode prejudicar a atividade empresarial.

Com esse tipo de análise, será possível mensurar a quantidade de investimentos que devem ser direcionados aos processos produtivos e de que forma eles poderão e deverão ser empregados na cadeia produtiva de uma companhia.

Por meio de tais índices, o gestor será capaz de diferenciar processos de produção de itens que sejam mais rentáveis e lucrativos e, se for o caso, otimizar a sua produção e verificar os que não vêm trazendo bons resultados ou aqueles em que os custos superam os ganhos. Dessa forma, a decisão de interromper, alterar ou manter algum processo de produção se torna muito mais fácil e segura.

Como vimos, os indicadores de desempenho de processos são fundamentais para o sucesso de uma empresa. Esses índices auxiliam os gestores a identificarem, com facilidade, as operações que vêm sendo lucrativas e aquelas que estão sendo ruinosas.

Com isso, o empresário pode ter a tranquilidade necessária para agir de forma direcionada e tomar iniciativas favoráveis à empresa, como: correção de falhas em processos, capacitação de colaboradores, alinhamento de objetivos etc. Assim, aumenta-se a produtividade com base nas expectativas dos clientes e potencializam-se os lucros.

Gostou de saber um pouco mais sobre os indicadores de desempenho de processos? Então, assine a nossa newsletter e receba conteúdos tão relevantes quanto este!

Aprenda a implantar a metodologia six sigma da melhor forma!

A metodologia six sigma corresponde a um conjunto de ferramentas que acompanham o desvio de recursos para atender às necessidades dos clientes. Se um atendimento demora mais que a média, gera tempo desperdiçado e a imposição de passar por melhorias.

O desenvolvimento dessa abordagem teve início em 1980, com o pontapé inicial dado pela Motorola. Outras grandes empresas começaram a aplicar e, com bons resultados, logo ele se popularizou. Hoje, é uma possibilidade capaz de oferecer diversos benefícios.

Na sequência, mostraremos como implementar a metodologia e quais são os seus impactos sobre o gerenciamento. Confira!

Como funciona o six sigma?

Embora represente um conjunto de ferramentas, o funcionamento da metodologia é como uma escala de qualidade. Nessa medição, o valor 1 sigma é o nível mais baixo e o 6 sigma o mais alto.

Podemos dizer que a intenção é medir a aderência do que é entregue aos clientes em relação ao esperado. Assim, é possível acompanhar resultados sobre o atendimento ao cliente, pós-vendas e assim por diante.

Qual é o passo a passo da implementação?

Ao contrário do que muitos acham, o processo não é tão complexo. No entanto, deve ser bem estruturado para oferecer os resultados desejados. Vejamos o passo a passo da implantação para entender como fazer.

Realize um diagnóstico organizacional

O entendimento do cenário atual é o ponto de partida. É preciso realizar um diagnóstico do negócio e compreender quais são as questões problemáticas e onde é possível implementar melhorias.

Como o planejamento tem início nesse momento, defina quais serão os métodos estatísticos e matemáticos usados para calcular os desvios e o nível de qualidade.

Monte uma equipe de atuação

Na sequência, é a hora de montar um time completo. Normalmente, há um facilitador e um certificado na metodologia six sigma, chamado de Black Belt. O restante da equipe é composto pelos interessados no projeto, como os profissionais e líderes do setor.

Recomendamos selecionar um grupo comprometido, engajado e capaz de propagar os conhecimentos necessários.

Inicie mudanças e testes

A partir do diagnóstico inicial, defina a melhor maneira de agir. É o momento de colocar as mudanças em prática, bem como estabelecer algumas regras e padronizações nas áreas complexas.

No entanto, nem tudo funcionará de primeira e, por isso, é importante testar, medir e acompanhar o tempo todo.

Implemente melhorias

Após encontrar as soluções, é a hora de consolidar as otimizações previstas, como mudanças em um fluxograma de processo ou no atendimento ao cliente. Após essa alteração, a medição deve continuar.

Sempre há espaço para obter melhoria contínua e a qualidade total. Entenda que, com a repetição do ciclo, é possível desenvolver vários projetos.

Quais os benefícios da metodologia six sigma?

Mas, afinal, por que fazer essa implementação? O motivo é simples: ela muda o negócio para a melhor. Com as alterações direcionadas, é viável explorar diversas vantagens. Conheceremos agora os principais pontos positivos.

Padronização de processos

Como é preciso criar regras na implementação, é possível deixar diversos processos padronizados. Além de oferecer consistência, isso também facilita o acompanhamento e a comparação, o que ajuda a diminuir erros e desperdícios.

Mais qualidade

Com uma melhora do atendimento, as mudanças implementadas pela metodologia six sigma garantem um nível maior de qualidade. Com isso, o negócio gasta menos, perde menos e se torna competitivo.

Aumento da fidelização

Já que a qualidade aumenta, o resultado também eleva a satisfação dos clientes. Isso potencializa a fidelização, o que ajuda a tornar o negócio ainda mais robusto, diferenciado e capaz de alcançar metas estratégicas.

Esses e outros impactos já foram sentidos em várias empresas. Além da própria Motorola, GE e Ford tiveram sucesso na implementação. A Ford, especificamente, conseguiu atingir um nível muito alto de qualidade, o que a permitiu a execução de mais de 10 mil projetos e a elevação de satisfação dos consumidores.

Como vimos, a metodologia six sigma é uma ótima forma de gerar melhor aproveitamento de recursos e de processos. Com a implementação adequada, o negócio passa a se destacar pela qualidade.

E você, o que você achou dessa alternativa? Deixe seu comentário e participe!

Você sabe o que é um fluxograma de processo? Descubra agora!

O fluxograma de processo é uma ferramenta gráfica, que visa apresentar o fluxo de ações e de decisões em um ponto do negócio, ou seja, é uma forma de criar um “mapa”, o qual identifica os passos necessários desde o início de um processo até o seu encerramento.

Ele pode ser usado em diversos procedimentos e, principalmente, busca auxiliar a gestão em suas obrigações. Desde que executado corretamente, é um grande facilitador da tomada de decisão.

Neste post, exploraremos o funcionamento de um fluxograma de processo e quais são suas características. Acompanhe!

Qual a composição desse elemento?

Podemos dizer que cada fluxo é dividido em três partes — a entrada, o processamento e a saída:

  • a entrada é o “gatilho” que dispara a etapa, como a chegada de matéria-prima em uma indústria;
  • o processamento inclui as ações necessárias para que todo o procedimento ocorra e ele pode corresponder à separação dos materiais e preparação para uso;
  • a saída é o resultado, por exemplo, de obter o conjunto de itens prontos para entrarem no processo produtivo.

O fluxograma pode ser simples, quando observado de modo micro, ou complexo, se analisado de maneira ampla. Cabe à gestão identificar o que faz mais sentido para cada momento.

Além disso, ele conta com diversas formas, como losangos, círculos e retângulos, que ajudam a indicar determinada ação ou aspecto de maneira totalmente visual.

Como elaborar um fluxograma de processos?

Nossa primeira recomendação para criar esse fluxo é selecionar qual processo será analisado. Se a intenção é verificar a etapa produtiva, por exemplo, ela deve ser vista como um todo ou apenas em parte? Respostas a questões como essa, podem ser direcionadas à “lupa”.

Ainda, recomendamos padronizar o significado das formas desde o começo. Se o retângulo sempre indica uma atuação, ele deve ser usado assim, sem mudanças, para que todos possam reconhecê-lo.

Por fim, é o momento de “traduzir” as ações e os fluxos de maneira gráfica. Tudo deve ser apresentado na exata sequência em que acontece, pois é somente ao ser realista que é possível implementar melhorias.

Quais os benefícios de utilizá-lo?

Nossas recomendações sobre o fluxograma de processo são justificadas pelos benefícios que ele traz. Quando bem aplicado, é capaz de transformar a maneira como é feito o gerenciamento. Na sequência, apresentamos os motivos.

Identificação e correção de disfunções

Com um bom fluxograma, é possível ter uma visão clara e ampla do negócio e dos procedimentos. A partir dessa análise gráfica, dá para definir se existe alguma distorção ou possibilidade de melhoria.

Se for bem desenvolvido, ele funcionará como uma foto da organização. Assim, será possível tomar boas decisões, sem desconsiderar responsabilidades ou ligações entre setores. Ao final, haverá um reforço na abordagem.

Padronização de processos

Outro ponto interessante é que é possível estabelecer, por meio do fluxograma, como cada etapa deve acontecer. É algo que leva a uma padronização de atuação, de modo que certas decisões ou ações sejam sempre iguais.

Isso ajuda a melhorar o controle e, principalmente, a qualidade do que é obtido. Desse jeito, haverá potencial para obter um desempenho ampliado.

Maior produtividade

Ainda, um bom fluxograma de processo permite que todos fiquem por dentro do que precisa ser executado a cada momento. Ao afastar as dúvidas, existirá um ritmo otimizado e um nível maior de produtividade.

A correção das distorções também é essencial para evitar problemas e erros. Com um fluxo longe da burocracia e dos retrabalhos, é possível melhorar a capacidade de desempenho.

Como vimos, o fluxograma de processo é uma ferramenta gráfica que, acima de tudo, oferece visibilidade sobre o negócio. Por isso, funciona muito bem para aumentar a qualidade da gestão e de atuação do empreendimento.

O conteúdo foi útil? Que tal continuar a aprender e descobrir, ainda, como reduzir a burocracia na empresa com alguns passos simples?